martedì 28 agosto 2012

“O ENSINO DA PINTURA NO BRASIL DE HOJE”


TECNICAS EXPRESSIVAS EM PINTURA
 

O ENSINO DA PINTURA NO BRASIL DE HOJE”
FASE 1- LEVANTAMENTO E SELEÇÃO DAS INSTITUIÇÕES PARA A PESQUISA.

A pesquisa e a busca foi feita em escolas com aula presencial sem prejudicar ou causar algum tipo de constrangimento para os alunos. Sendo assim, consegui a colaboração de duas escolas públicas localizadas na região metropolitana de Curitiba.

ESCOLA 1- Escola Estadual Olindamir Merlin Claudino

Ensino Fundamental - 6º ano
Professora: MariaRegina

ESCOLA 2- Escola Estadual Lucy Requião de Mello e silva

Ensino Fundamental - 7 º ano

Professora: Mara



FASE 2- ELABORAÇÃO DO ROTEIRO DE PERGUNTAS

Após a análise das duas escolas, foi elaborado algumas perguntas a serem feitas da mesma forma para as duas professoras, sendo as duas de escola pública, uma do ensino fundamental e outra do ensino Médio.

1- Quais as técnicas você mais utilizadas na pintura?

2- Quais os materiais a escola disponibiliza para os professores e alunos, em se tratando de uma escola publica?

3- Onde é praticada as aulas de pintura (na sala de aula ou tem um local apropriado)?

4- Qual o tipo de pintura é mais apropriada para os alunos do 6º e 7º anos?

5- E para os alunos do 1º ano. Qual técnica de pintura é mais apropriada?

6- O que você, como professor, faria para melhoraria as aulas de pintura dos alunos?

7- Qual a reação dos alunos nas aulas de arte? Tem interação?



FASE 3- VISITA ÁS ESCOLAS E CONVERSA COM OS PROFESSORES

Ao visitar as escolas, fui bem recebido pelos inspetores de alunos, secretaria, professores, diretores,etc. Como o tempo era curto logo foi colocado em prática o roteiro de perguntas. Usamos o mesmo questionário para as duas escolas e para as duas educadoras, portanto, segue abaixo o questionário com as respostas das duas professoras e a série referente á cada uma delas.

1- Quais as técnicas você mais utilizadas na pintura?

Maria Regina 6º ano: Usamos mais a técnica de pintura a dedo e pintura com giz de cera, pela idade não temos muitas opções pela dificuldade de lápis de cor quebrar as pontas e ter que apontá-los e pela coordenação da classe.

Mara 7º ano: Técnica de pinturas com tema livre ou cópias, com lápis de desenho, lápis de cor e giz de cera nas aulas do dia a dia, quando são datas especiais procuramos usar outras técnicas de pintura, como nanquim, guache, pinturas em garrafas, ou outras atividades compartilhadas com outros professores.
2- Quais os materiais a escola disponibiliza para os professores e alunos, em se tratando de uma escola publica?

Maria Regina 6º ano: Caderno de desenho, lápis de cor, giz de cera e tinta guache, papel canson, sulfite, cartolina e canetinhas os alunos possuem, mas são pedidos na lista de material.

Mara 7º ano: Caderno de desenho, folhas de sulfite, lápis de cor, giz de cera, tintas guache e pincéis.

3- Onde é praticada as aulas de pintura (na sala de aula ou tem um local apropriado)?

Maria Regina 6º ano: Em sala de aula.

Mara 7º ano: A maioria das vezes em sala de aula, mas a escola disponibiliza de uma sala de artes, quando não está sendo usada para teatro, aula de dança, ensaios ou atividades das turmas mais necessitadas, como os alunos dos 8º e 9º ano, que necessitam mais da sala por fazer trabalhos com argila e gesso.



4- Qual o tipo de pintura é mais apropriada para os alunos do 9º anos e primeiro ano do Ensino Médio?

Mara 6º ano: A pintura com guache é a técnica que eles mais gostam de trabalhar, se entregam mais, e por isso é a melhor para se trabalhar nessa faixa etária, nós educadores, sempre chegamos no resultado esperado quando trabalhamos com algo que os alunos gostam de fazer.

Maria Regina 7º ano: A técnica mais apropriada para os alunos do primeiro ano é pintura e atividades com giz de cera, pois eles perdem a paciência com lápis quando se quebram, não sabem apontar muito bem e com tinta nessa faixa etária de idade não conseguimos o resultado esperado das atividades, pela falta de coordenação e disciplina dos alunos.



5- E para os alunos do 6º e 7º ano. Qual técnica de pintura é mais apropriada?

Maria Regina 6º ano: Eles desenvolvem os pensamentos, são criativos e sentem satisfação e cuidado com os trabalhos que eles fazem.

Mara 7º ano: Eles desenvolvem o conhecimento da arte aprendem a pintura e suas técnicas, desenvolvendo coordenação motora, capricho, imaginação e criatividade, com isso, eles têm a sensação de satisfação pelo o que alcançam.

6- O que você, como professor, faria para melhoraria as aulas de pintura dos alunos?

Maria Regina 6º ano: Uma sala de artes ou espaço para os alunos se organizarem melhor.

Mara 7º ano: Espaço e mais materiais, de diferentes padrões, para essa faixa etária de alunos conhecerem melhor a arte da pintura porque são capazes.



7- Qual a reação dos alunos nas aulas de arte? Tem interação?

Maria Regina 6º ano: Agem com interesse quando usamos técnicas que chamam a atenção deles, fora isso, agem com um pouco de bagunça, justamente pela falta de espaço e pela sujeira, querem sair toda hora para lavar as mãos, um amiguinho suja o outro sem querem, não encontram uma posição adequada, fazem o dever com um pouco de desorganização.
Mara 7º ano: Agem animados, com interesse, pois para eles é uma aula diferente, ficam observadores, criativos, se sentem importantes e satisfeitos por estarem fazendo algo diferente, as vezes agem até com mais maturidade, e depois que fazem suas atividades, se sentem satisfeitos.



FASE 4- SISTEMATIZAÇÃO DAS OBSERVAÇÕES E DOS COMENTÁRIOS

Foi observado que as educadoras das escolas, tanto a educadora do 6º ano como a do 7º ano necessitam de mais materiais para enriquecer as técnicas de pintura com os alunos e que também necessitam de espaço para poder se organizar e interagir melhor com seus alunos.

FASE 5- ANÁLISE, DISCUSSÃO E ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO

Análise, discussão e elaboração de relatório por instituição visitada.

1ª Escola Olindamir Melin Claudino (6º ano)

A visita á escola foi importante. Na analise, percebemos que a escola fornece alguns materiais indispensáveis na arte para os alunos, mas não é o suficiente para o ano todo ano letivo. Sendo assim, a realização de atividades mais interativas ficam para datas especiais: dia das mães, dia dos pais, natal, páscoa, etc. ou seja, datas comemorativas. A professora se queixa de que toda a escola, assim como tem salas de informática, deveriam ter sala da artes para as atividades ligadas a essa disciplina, pois a organização nessa faixa etária dificulta muito o trabalho em sala de aula. O interesse da professora em aula de pintura é grande, porém, dificultado ao se deparar com os obstáculos relacionados a materiais e espaço físico.

2ª escola: Lucy Requião de Mello e Silva

Analisamos que além dos materiais fornecidos pela escola, os alunos dispõem de uma sala de artes totalmente organizada, com pias e lavatórios, armários com materiais de arte e pintura, porém, por ser a única sala de artes na instituição, várias turmas, de diferentes faixas etárias, que necessitam mais que uns, onde a queixa da professora ás vezes é a prioridade para os alunos maiores, de atividades mais avançadas, que trabalham com materiais mais complicados como argila e gesso, tudo bem, é compreensivo, mas o 6º ano, assim como o 7º e independente de faixa etária, também deveriam ter essa prioridade para o uso da sala quando precisam, pois independente do material usado, ou a atividade que irão fazer, para cada faixa etária existe seu trabalho, não existe atividade difícil ou mais simples que a outra, todas são trabalhosas e exigem o esforço e interesse do aluno, cada uma de acordo com sua faixa etária. Os projetos de pintura são bem elaborados, mas como se trata do 6º ano, perto dos projetos das outras turmas, a pintura deles se tornam simples, então “a maioria da vezes” são feitas em sala da aula, e independente de ser em sala de aula ou na sala de artes, o interesse e o resultado é bem mais que o esperado.











RELATÓRIO E CONCLUSÃO DO PROJETO

O ensinamento e desenvolvimento hoje em dia em relação á pintura fica muito á desejar se tratando de escolas públicas. No Brasil, a disciplina de Arte é visada como uma disciplina comum, mas na verdade ela não é como as outras, que necessitam de livros e quadro negro, a arte, como pintura, necessita de muita prática para ser ensinada e entendida, e justamente pela falta de espaço, materiais e organização, muda o planejamento dos educadores, planejando somente atividades simples e comum aos alunos, onde dá para se organizar, se tornando muitas vezes repetitivas como pintura de tema livre ou desenhos para colorir.
Ao conversarmos e entrevistarmos as educadoras que colaboraram em nosso projeto, vimos que elas, têm muito conhecimento em pintura e tem em mente vários projetos para seus alunos, mas não tem recursos nem materiais suficiente para colocá-lo em prática com seus alunos, a não ser que peçam para os alunos trazerem de casa ou pague de seu próprio bolso, o material desejado para produzir a atividade, o que acontece muitas vezes em datas comemorativas para dar de lembrança para os pais, mas esse tipo de atitude muitas vezes não dá certo, por mais que seja nas melhores das intenções, muitos alunos esquecem, não tem como levar o que se pede, e por falta desses, nunca alcança o objetivo do projeto.

As metodologias usadas nas escolas são as mesmas para as idades, ou seja, não há muita diferença, á não ser em escolas particulares, porém não tivemos oportunidade de visitar uma, mas pelo que sabemos, as atividades de pintura são mais ricas, criativas, pois a instituição (escola), não dispõe de material, eles fornecem uma lista (de material) para que tudo alunos tenha obrigatoriamente todo o material desejado para a elaboração do planejamento da aula. Assim, o resultado das aulas de pintura em escolas particulares são plenamente satisfatórios. Já às instituições públicas, não tem esse recurso para com os professores e alunos.

Essa experiência foi extremamente educativa e satisfatória. Fez-me enxergar o que já se tem e o que falta para a melhoria deste ensinamento na nossa educação.
Ressalta-se a importância para os futuros professores poder tentar realizar outros tipos de projetos, sem serem repetitivos, com mais argumentos dentro do que nos cabe, tanto como espaço fornecido na instituição que se vai trabalhar, quanto ao aproveitamento do material que estiver á nossa disposição, aproveitar a criatividade desde o material mais simples quanto aos mais evoluídos. Por exemplo, pode-se usar embalagens de ovos, garrafa pet, etc. usando a criatividade é possível inovar dentro de uma escola com poucos recursos.
BIBLIOGRAFIA
AURÉLIO, Buarque de Holanda Ferreira. Dicionário Aurélio. Editora positivo, 2004.

Nessun commento:

Posta un commento

Posta un commento